quinta-feira, 9 de março de 2017

Coração


O que seria o coração...

O termo coração por vezes é citado na Bíblia não como um orgão anatômico, que pulsa nosso sangue, mas antes para dizer do interior do homem. O catecismo (CIC) fala do coração no paragrafo 2563, como sendo um lugar onde estamos a sós com Deus e nossa conciência, onde habita o Espírito Santo. Santa Teresa usa uma linda expressão quando fala do seu relacionamento com Deus: "Aquele que meu coração ama!"
No livro de Ezequiel 36,26-27 fica claro que esse coração humano é um lugar sempre necessitado de renovação e cura: "Removerei do vosso corpo o coração de pedra e vos darei um coração de carne". As pedras que encontramos no decorrer da vida, a nossa natural dificuldade de encontrar o sentido do sofrimento e da dor, a fraqueza humana da qual todos nós participamos sempre nós colocará em um lugar de real necessidade de diariamente sermos curados, e agraciados com a Água Viva que renova, e nos ajuda a perdoar.

Na vida humana estamos sempre sujeitos a ter o coração empedrado, ou seja, todos somos pecadores e portanto temos uma tendência ir endurecendo o coração. Todo dia é dia de clamar e buscar a graça de Deus, que rega a terra do coração. Só o Espírito Santo de Deus é capaz de impedir que as dores da vida não sejam capazes de nos deixar insensíveis, por isso Vem Espírito Santo curar nosso coração! Paz e bem!

Meu nascimento, como vim ao mundo?!


"Mas Deus me separou desde o ventre materno e me chamou por sua graça" (Gl 1,15), em muitos momentos a Palavra de Deus nos recorda que antes mesmo do nosso nascimento Deus já nos tinha escolhido, como Paulo declara acima na carta, ou até mesmo no chamado bem conhecido do profeta no capitulo 1 de Jeremias. Deus não se cansa de repetir essa verdade, de que nós quis, nos desejou, nos amou antes mesmo do nosso
nascimento. Milhares de relações sexuais foram vividas pelo seu pai e sua mãe, mas foi só de uma que Deus te concebeu, milhares de espermatozoides estavam em cena, mas
um só Deus escolhe para te formar, cada mulher também traz em seu útero milhares de celular que vão na idade fértil se tornar óvulos maduros e possíveis de serem fecundados,
mas de um só deles você foi constituído, parece ser muito matemática, ou até mesmo muito estatística, tem pesquisadores que chegam a dizer que a probabilidade de
você ganhar na loteria e muito maior do que nascer. 

Deus teve que querer muito a mim e a você! Deus te ama, e basta ter a ousadia de abrir seu coração que verá esse amor em cada detalhe da sua história, da sua vida, desde a sua
concepção! Claro que criamos uma expectativa de sermos amados pelos nossos pais, desejados desde o nascimento pela
nossa família, queremos ser bem acolhidos nesse mundo, mas de fato acima de qualquer plano humano existe uma âncora divina, da qual todo desejo humano fica pequeno perto da grandeza do mistério Divino em nos querer aqui nessa vida.


Nossos pais como seres humanos são falhos, os sentimentos humanos ocilão
, mas Deus não ele é para nossa alma, 
segurança, abrigo, consolo. Permita que Deus visite sua
historia, sua gestação, os sofrimentos, as alegrias, e que tudo isso seja permeado pelo amor de Deus, que da sentido a nossa vida, nos da uma missão, nos elege para sermos seus filhos, seus eleitos.

Contemplando esse lindo mistério da vida, da qual fomos chamados a viver, rezamos com humildade como diz o livro de Eclesiastes:
"Assim como você não conhece o caminho do vento, nem como o corpo é formado no ventre de uma mulher, também não pode compreender as obras de Deus, o Criador de todas as coisas (Ecle 11,5). Que rendidos ao mistério de Deus que é a vida, e nosso nascimento sejamos visitados em seu poder
e sua misericórdia, e nos descubramos como filhos amados e queridos por ninguém menos que Deus.  Paz e bem!

domingo, 5 de março de 2017

Desde o meu nascimento!



Diz o Salmo "Fôstes vós que plasmastes as entranhas de meu corpo. Vós me tecestes no seio da minha mãe!"(Sl 138, 13). A palavra "plasmastes", vem do Latim "plasmāre" que significa modelar do barro, da argila. Quando o salmo diz que tivemos o corpo todo modelado por Deus, isso é muito profundo, não é uma forma em que todo mundo sai igualzinho, mas como um barro maleável, somos pensados e sonhados no coração de Deus como somos, cada um com suas características próprias, até mesmo se algo no nosso corpo não está no padrão da moda, do peso ou da medida que a nossa cultura chama de belo. Deus é sempre bom, e a bondade de Deus não pode participar da criação de nada que não seja belo por si só, a beleza e a bondade são termos que estão intimamente ligados. A natureza é em sua essência beleza, mesmo que nós agimos sobre ela, muitas vezes a destruindo, intervindo em suas características, mas em sua origem "Deus viu que era bom!" como podemos ver no livro do Gênesis. O Corpo também por mais que por algum per causo da vida, ou do desenvolvimento o corpo tenha sofrido alguma alteração, até mesmo adquirido uma deficiência em algum aspecto, limitando. Nenhuma alteração é capaz de muda a essência do corpo de cada um de nós: "Deus viu que era muito bom!". As vezes pelo nosso olhar míope, nós passa despercebido quanto beleza Deus deixou inscrito em nosso corpo. Se até hoje você tem ficado procurando os defeitos que sua corporeidade lhe apresenta, que tal mudar o olhar, para buscar no corpo as marcas da beleza de Deus. Já dizia Santo Irineu: "A glória de Deus é o ser vivente!", temos as marcas do pecado original, que tornou nosso corpo perecível, mas por que diminuir a manifestação gloriosa de Deus no corpo, ficando preso a pequenos detalhes que não nós agradam. Convido você a revisitar esse lindo salmo que falamos no inicio, rezar com ele, pedindo a Deus um coração e um corpo sarado pela graça! Paz e bem! 

sábado, 12 de novembro de 2016

Temperamento Melancolico



Esse temperamento é conhecido como o mais rico de todos os temperamentos. O nome dá a sugestão de tristeza, depressão, mas o temperamento melancólico não se trata disso. Uma pessoa melancólica é muito sensível às emoções. É um temperamento introvertido na maioria das vezes.  Enclausura-se como caramujo. É amigo fiel, mas não faz amigo facilmente, por ser desconfiado. Tem habilidade de analisar os perigos que o envolve. Força-se a sofrer e sempre escolhe uma vocação difícil, que envolva grande sacrifício pessoal. Grandes gênios do mundo, artistas, músicos, inventores, filósofos, educadores e teóricos, eram melancólicos. Podemos ver estas características em personagens bíblicos de projeção como, Moisés, Elias, Salomão, o apóstolo João e muitos outros.

Forças: Habilidoso, delicado, leal, idealista, minuncioso, profundo, pensativo.

Fraquezas: Egoísta, amuado, pessimista, confuso, antisocial e vingativo.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Temperamento Sanguíneo


O temperamento que vamos falar um pouco dessa vez é o sanguíneo, o chamado “sangue quente”. Porém, como todos os temperamentos, traz suas forças e fraquezas. Em termos de emoções o sanguíneo é emotivo, entusiasmado e expressivo. Tem carisma para liderança, tem muitos amigos, é divertido. Nas fraquezas é agitado e turbulento, desorganizado, começa as coisas e não termina, tem uma tendencia a ser egoísta. Na Bíblia temos o apóstolo Pedro com grandes traços sanguíneos; ele exibia calor, intensivamente em suas emoções e ação dinâmica.  Gosta de estar sempre ativo, é despreocupado, aventureiro e por isso evita momentos de tédio, gosta de elogios. Na vida profissional são bons professores, oradores, vendedores, comerciantes.
O indivíduo de temperamento sanguíneo possui grandes qualidades, como a habilidade de adaptar-se facilmente, de se sentir à vontade em qualquer lugar e sob circunstâncias inesperadas, de agir prontamente face ao inusitado e sob condições novas e diferentes.
Por outro lado, possui uma dificuldade em ser realista, em lidar com situações que se repetem, como é o caso da rotina, em aprofundar seja no que for.
O sanguíneo é muito susceptível a tudo que penetra pelos seus sentidos, e sua consciência está sempre voltada para o exterior, para as estimulações do mundo, sempre pronto a participar de qualquer evento que pareça interessante. O sanguíneo muda com facilidade, adapta-se, vive o momento e a situação imediata. Seu principal hábito é não ter hábitos, ele adora mudar de casa, viajar, mudar de emprego. Se sentem aborrecidos quando nada parece acontecer. Sua raiva é de curta duração, como uma chuva de verão que tão logo passa, é fácil sorrir novamente.
Eles acham que perdoar é algo fácil. Para educar o sanguíneo deve-se tentar desenvolver um interesse permanente naquilo que é essencial, educa-lo para o amor ao próximo, quando criança exercitar o corpo, gastar energia, para que possa desenvolver-se e aprofundar no amor, as artes, e a oração. Paz e bem!

O que são os temperamentos?



Nessa nova série vamos abordar o tema sobre os temperamentos, o que são temperamentos?
A palavra temperamento vem do latim 'temperare', que significa "equilíbrio". Na atualidade os termos da psicologia moderna foram se diluindo, e de fato, temos que retomar a filosofia antiga, pois atualmente esse termo assumiu muitas conotações.

O estudo do temperamento começou a ser abordado, ao que se tem registro, pelo filósofo grego Empédocles e seu conterrâneo, o médico Hipócrates. Ambos seguidos, mais tarde, pelo greco-romano Galeno dentro do que ficou conhecida como a teoria dos humores. Os temperamentos foram divididos entre quatro: Sanguíneo (que a raiz da palavra significava o sangue, a vida), Melancólico ( melancolia, tristeza), Fleumático ( vem de Fleuma, falta de emoção, passividade), Colérico (Cólera, ira, explosão). Para os gregos inicialmente os humores tinham intima relação com as questões biológicas da pessoa, como podemos ver nos significado dos termos, o que cada temperamento representa portanto só veremos a diante. E não podemos classificar que alguns seja, ruins ou bons, e muito menos que alguém esteja totalmente definido em um deles apenas, mas temos traços predominantes de uns, e de outros. Todos eles tem habilidade a serem desenvolvidas e defeitos a serem combatidos.
Na classificação moderna, podemos dizer que os temperamentos: sanguíneo e colérico são extrovertidos; e o melancólico e o fleumático são introvertidos. Cada mês veremos um resumo de um deles, até lá. Paz e bem!

Complementariedade e o estimulo sexual





     No livro Amor e Responsabilidade, Karol Wojtyla, acrescenta um anexo com o seguinte título “A Sexologia e a Moral”. Neste trecho da obra, Wojtyla fala das diferenças existentes no que se refere ao estímulo sexual feminino e ao masculino e seu desenvolvimento. Nesse sentido, é oportuno mencionar que, em muitos cursos de noivos, ouvimos a expressão: "homem é como um fogão a gás, e a mulher, como um fogão a lenha". Essa metáfora também é encontrada no livro Por que os homens fazem sexo e as mulheres fazer amor?, de Allan e Barbara Pease.

     Muitas são as dúvidas e conflitos gerados em torno dessas questões. Então, para começarmos a entender um pouco mais sobre isso, recorremos aos ensinamentos de Karol Wojtyla na obra já mencionada. Wojtyla faz um apanhado geral sobre o desenvolvimento dos impulsos sexuais até a puberdade. As manifestações psíquicas da fase que antecede a puberdade é um período de entorpecimento, também conhecido na psicologia moderna como latência. Vale pensar como o popularmente conhecido "clube do Bolinha ou da Luluzinha", pois as meninas têm um certo afastamento dos meninos, e vice-e-versa. Não é incomum em nossa sociedade atual uma cobrança obsessiva sobre o posicionamento sexual dos meninos e da meninas quando estes ainda estão vivendo o período de latência. Essa era para ser uma fase importante na maturação sexual, mas passa a ser uma fase de angústia e crescente insegurança. E, por falta de conhecimento sobre o próprio desenvolvimento humano, essa etapa tem sido negligenciada.

     Após essa exposição, Wojtyla trata dos problemas que fazem referência às diferenças do estímulo sexual feminino e do masculino. Do ponto de vista do amor, as diferenças, na curva feminina de excitação, que sobe e desçe mais lentamente, pede um altruísmo da parte do homem, para que este não seja o único a atingir o ponto culminante da excitação sexual.





    "Não pode resultar senão duma profunda educação do amor!" (Amor e Responsabilidade). Essas são as palavras de Wojtyla quando fala dessa busca por amar para além de si mesmo, esse é o caminho que ele sabiamente nos aponta. "Se se tem em conta que a curva de excitação do homem é mais curta e sobe bruscamente é-se levado a afirmar que um ato de ternura da sua parte, nas relações conjugais, adquire a importância dum ato de virtude, precisamente a virtude de continência e indiretamente do amor" (Karol Wojtyla).



     A partir disso, podemos compreender a importância da castidade, da educação para o amor, do autodomínio, da temperança, como caminhos para a realização futura no matrimônio, mas também para a realização sexual do casal, e não como uma obstrução ao amor. Ao contrário, como um verdadeiro antídoto.
 
Pesquisa personalizada